quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Quando for voltar, me diga quando vai chegar.


Tentei tecer um sorriso, porém, sem sucesso algum.
Aquela lágrima insistia em escorrer cada vez que meus olhos procuravam seu olhar e não os encontrava com aquele brilho de antes ou quando me lembrava que não era apenas um até logo e sim um adeus.
Errei e reconheci esse erro.Já ouvi falar que são poucos os que assumem seus erros e tentam se redimir deles.Só que são mais poucos ainda quem consegue pedoar e seguir em frente, de preferência com aquela pessoa.
É errando que se aprende e é errando que se cresce, ou seja, pelo menos com tudo isso posso considerar que eu consegui tirar algo de válido.
Talvez um dia volte, talvez nunca mais volte, e então o presente mais bonito que eu tive vai virar uma lembrança triste de se lembrar, triste NÃO porque tenha sido ruim, triste porque virou passado e tudo que eu mais queria é que fosse HOJE e não ontem.
Fico feliz por pelo menos ter algo para poder me recordar ... mas me diz, podia ser pior?


Ana Flavya Rigolon


obs: mais um daqueles textos escrito em folha de fichário, amassado e depois de um tempo achado no fundo da bolsa ;]

4 comentários:

Fii disse...

alguns dos seus textos, ou talvez a maioria, mexem bastante comigo, gostei bastante desse.

Duh disse...

É, tem algumas coisas que as palavras tentam em vão expressar. E ai, geralmente quem lê não sabe realmente como é o sentimento real por trás destas linhas.

Muito bom.
estou te seguindo.
bjos

Lidi Rubira disse...

Também tenho alguns amassados, alguns escritos em guardanapos, pequenos pedaços de papel..rsrsrs... Costumos escrevê-los em meu blog também, é sempre bom compartilhas textos e pensamentos. Descobrimos que existem mais pessoas que pensam como nós do que nossos olhos conseguem ver e até mais doque poderíamos imaginar. :)

Ziizá~* disse...

Táii curtii seu post!:DD
Sóo visitandoo!;DD